Skip to main content

Rua Augusta



Quando eu viajo, os dias são muito longos. As novidades sempre fazem que as horas sejan muito mais largas e mais intensas. Hoje foi um dia muito ensolarado e quente em São Paulo. Depois da minha aula de português na escola, almocei e enquanto isso, tentava encontrar um destino pra minha tarde. Eu tinha toda a cidade de Sao Paulo pra explorar, pra ver coisas novas, pra ver rostos desconhecidos pra mim. Todos os meus almoços tinham issa mesma emoção: eu nunca savia o meu destino. Eu tinha que decider durante o almoço. Abri meu mapa, minhas notas, e decidi que Rua Augusta era um bom destino. Uma rua. Uma rua não tem destino. Uma rua vai pra outra parte. Não tem importância, eu pensei. Então, eu fui para a avenida Paulista e depois, fui direto até a rua Augusta. Comecei reconhecer todos os lugares que o meu amigo Gustavo me mostrou a noite anterior. 



Nós fomos ao Café Noir, um lugar com boa música, muitos livros, e um clima muito relaxado. Lá, nós escutamos uma banda de jazz muito boa. A vocalista era uma menina cuja voz era melhor do que a voz da Alicia Keys! No caminho, eu vi muitos bares de strip-tease, discos, cafés. Bom, eu caminhei na mesma rua e depois do almoço eu encontrei uma padaria, enseguida, o bar de strip-tease, depois, uma loja de abajurs de pé, depois um café "pay and see". Tudo misturado. Eu não conseguia acreditar que as familias caminharem na mesma calçada sem problema. Em Bogotá, todas as coisas estão agrupadas em setores. Diferente.

 
Caminhei até Bixiga. É uma rua que tem muitos restaurantes italianos. O mais famoso é Mancini. Esse e o nome duma familia italiana que começou o negócio mas agora, são só os nomes e a comida gostosa! Na mesma rúa há uma loja "Calligraphia". Lá, encontrei muita coisas lindas que me fizeram lembrar das minhas amigas Maylin e Monica, e da minha irmã. Oh, como teria gostado que elas estivessem comigo aí. Tinham muitas cosas que elas teriam  gostado de ver e comprar.

Depois caminhei para Higienopolis na rua Antônia. Encontrei uma galería de arte. Tive que perguntar muitas vezes pra pegar um ônibus. Adoro as perguntas. Mais eu adoro mais as respostas. Escutar as palavras que posso reconhecer, outras que são novas. À noite, nós jantamos com Gustavo em "Nice Cup" na Vila Mariana.



Comments

Popular posts from this blog

Sartorialist-ish

Medellin, Antioquia October 14th, 2011
Yesterday evening I went to bed really early. I was completely knackered. So, I woke up early this morning, did my TEFL homework and arranged private lessons to survive this coming month in the internet cafe at the hostel. Feeling kind of weirdo for working at such early bird hours, I headed to the city center. At Poblado metro station, I tasted a very weird fruit: a mix of guava berry and pear. Tasty but still felt my stomach rumbling. So I checked the map and remembered I had been advised to visit Santa Helena bakery. It's a very traditional place in Medellin where baked goods are extremely nice. After asking for directions and having my coffee, I decided to take a walking tour in the area and ended up in Parque de la Luz. It was sunny and hot. There were performers, jugglers and skateboarders playing their tricks. I stared at them from the top of EPM library and their out…

Review: The Book under my Pillow.

There's this book under my pilllow. It's been there since I finished reading it. It's a reminder to keep present all I have to do to feel aligned with my higher self and proudly alive. Fully. Fearlessly. Those words have become my compass. They are my ultimate goal in life no matter if they change with time or evolve.

Before having that compass I had a list of goals to achieve in life. I started writing goals when I was 11 years old. In my hometown there was no university and neither of my parents had university education, however I wrote in my diary: I want to go to university no matter what. No matter why. When I was 20 years old, while in college, I wrote a list of professional, personal, and financial goals. I achieved some of them: got a university degree, worked for universities, traveled abroad, met people from distant latitudes...
And when I achieved all those things, especially when I got back from England after a 2 year stay, I felt I was done. I was going through…

Bookworm or not?

Bookworm, comelibros, ratón de biblioteca. 
Desde muy pequeña me consideré una comelibros porque en casa nunca hubo una biblioteca y empecé a atesorar cualquier libro que encontrara y que fuera "especial". Con los libros de lectura que me pedían en el colegio, logré comenzar mi minibiblioteca y de ahí en adelante comencé a acumular libros que había leído, que iba a leer, que nunca había leído, y luego con los años, que había comprado en Liverpool, en Londres o en Sao Paulo. Sonaba muy sofisticada mi biblioteca hasta la semana pasada. Regalé un 50% que consideraba precioso y ya no lo es. Quedaron unos cuantos ejemplares de diferentes temas que no tienen que ver todos con literatura. La mayoría están en inglés y tienen algo especial en la ilustración, el tamaño o el origen. Conclusión: Me gustan mucho los libros en inglés con alguna cosa especial y de temas muy específicos. Mi biblioteca ahora se ve más liviana y limpia. Tal vez hay lugar para más libros "especiales".…